Blog do Otávio

Futebol, política, religião, cultura, história e outros assuntos interessantes

Futebol

Seleção do Bahia de todos os tempos e os 125 maiores jogadores de sua história.

Foto retirada do site: http://www.esporteclubebahia.com.br/mais-valioso/

Foto retirada do site: http://www.esporteclubebahia.com.br/mais-valioso/

Sou torcedor do Esporte Clube Bahia e apreciador da história do futebol. Em razão disso, inicialmente resolvi fazer uma seleção com os maiores jogadores da história do “Esquadrão de Aço” (baseado num artigo que havia postado em outro blog anos atrás). Porém, como não consegui apenas escolher 11, decidi fazer um elenco principal com 27 jogadores. Mas, mesmo esse número não foi suficiente e, em razão de tantos atletas inesquecíveis, acabei fazendo uma lista com os 125 maiores futebolistas da história do tricolor baiano: 27 no elenco principal e 98 na seção “menções honrosas”.

Adoto como método de escolha o desempenho do jogador e sua importância nas principais conquistas do clube e não apenas o seu talento e “nome” no futebol. Assim, grandes nomes do esporte como Daniel Alves e Rodolfo Rodrigues, em razão do diminuto período que atuaram no tricolor baiano, não figurarão no elenco principal, apesar de mais talentosos e maiores na história do esporte do que outros ali presentes.

Espero que essa lista ajude os torcedores mais jovens a conhecerem um pouco sobre os grandes jogadores que já vestiram a camisa do clube.

Enfim, a seleção com os 11 melhores, o elenco principal e a lista completa com os 125 jogadores.

GOLEIROS

Foto: http://www.campeoesdofutebol.com.br/primeiro_arqueiro_brasileiro_da_libertadores.html

Nadinho (titular). Maior goleiro da história do Bahia, “O Macho” defendeu o clube de 1958 a 1968. Conquistou vários títulos baianos e foi titular do Bahia na conquista da Taça Brasil de 1959. Curiosidade: chegou a ser pré-convocado para a Copa do Mundo de 1962.

Foto: http://camisadobahia.blogspot.com.br/2012/11/de-goleiro-os-goleiros-sempre-foram.html

Ronaldo. O goleiro tricolor no título brasileiro de 1988 possuía grande habilidade e reflexos. Naquele ano, começou na reserva do goleiro Sidmar. Com a saída do titular, Ronaldo passou a ser o arqueiro principal da equipe. Teve atuações memoráveis nas fases finais da competição, principalmente no jogo final contra o Inter no Beira-Rio, no qual realizou a melhor partida de sua carreira, fechando o gol e garantindo a taça para o “Esquadrão”. Além disso, foi três vezes campeão estadual como titular de 1981 a 1983.

 

Menções honrosas (ordem alfabética aqui e em todas as posições a seguir): Buttice (excelente arqueiro argentino – ele e Rodolfo Rodriguez foram talvez os dois mais talentosos goleiros a vestir a camisa tricolor); Emerson Ferreti (vencedor da bola de prata da “Placar” atuando pelo Bahia em 2001); Jair (reserva de Nadinho na Taça Brasil de 1959, disputou uma partida como titular contra o CSA/AL naquele ano); Jean (goleiro que sucedeu Rodolfo Rodriguez e era um ídolo da torcida); Jurandir (arrojado, foi bicampeão baiano em 67 e 70 – fechou o gol e ajudou o Bahia a evitar o milésimo gol de Pelé na Fonte Nova em 1969); Lessa (apelidado de “Uma Garantia”, pentacampeão baiano no final dos 40 e início dos anos 50); Luís Antônio (arqueiro de notável técnica, foi pentacampeão estadual consecutivamente de 1975 a 1979 – 613 minutos sem levar um gol em jogos de campeonato brasileiro, recorde na história do clube); Picasso (vencedor da bola de prata da “Placar” atuando pelo Bahia em 1970); Rodolfo Rodriguez (lendário goleiro uruguaio, veio veterano ao clube no início dos anos 90 e conquistou a torcida); Sidmar (titular durante grande parte da campanha do título brasileiro de 88); Teixeira Gomes (guarda-redes dos dois primeiros títulos estaduais do “Esquadrão” no início dos anos 30); e “Yoyô” (bicampeão baiano como titular em 1944 e 1945);

LATERAIS-DIREITO

 

Foto: http://www.bbmp.com.br/2011/06/

Leone (titular). Clássico e defensivo lateral direito (pouco subia ao ataque, tanto que nunca balançou as redes pelo tricolor), titular do Bahia na conquista da Taça Brasil de 1959. Teve êxito na dura missão de marcar o lendário ponta esquerda Pepe em dois dos três jogos da final do “Brasileiro”.

 

Foto: http://marcosaurelioitz.blogspot.com.br/2013/11/ex-jogador-da-selecao-brasileira-vira.html

Perivaldo. O “Peri da Pituba”, itabunense, foi um grande marcador que também subia ao ataque com eficiência. Defendeu o Bahia em meados dos anos 70 e venceu a Bola de Prata da “Placar” em 1976 atuando pelo clube. Vestiu a camisa da Seleção Brasileira em por três jogos em 81 e 1982 quando era atleta do Botafogo.

Menções honrosas: Bacamarte (grande jogador do Bahia nos anos 50 – veterano, disputou apenas uma partida na conquista da Taça Brasil de 1959; polivalente, também exercia a função de zagueiro); Clébson (o “Itiubinha”, pois natural de Itiúba na Bahia, era um lateral rápido e promissor – faleceu num acidente de trânsito enquanto era titular do Vasco da Gama e em ascensão na carreira); Daniel Alves (estrela da Seleção e do Barcelona, começou sua trajetória vitoriosa no “Esquadrão”); Edinho “Jacaré” (multifuncional, jogava também na lateral esquerda – reserva no título brasileiro de 88, tetracampeão estadual consecutivo como titular de 1981 a 1984 ); Maílson (ídolo tricolor no final dos 80 e início dos 90 – campeão baiano em 91 e 93); Tarantini (baiano de Itarantim, titular do Bahia campeão brasileiro de 1988); Toninho (titular e campeão pelo clube no final dos anos 70); e Zanata (lateral técnico e com excelente capacidade nos cruzamentos – campeão estadual nos três anos que atuou pelo Bahia de 1986 a 1988).

ZAGUEIROS

Foto: http://www.luizberto.com/enxugandogelo-jose-de-oliveira-ramos/a-bola-era-de-couro-e-redonda

Roberto Rebouças, “O Xerife” (titular). Este zagueiro foi um dos maiores jogadores da história do Bahia. Possuía boa estatura (1.86), temperamento forte e um estilo viril (mas elegante ao mesmo tempo). Defendeu a equipe baiana de 1963 a 1967 (contratado do rival Vitória) e durante quase toda a década de 70. Era capitão da equipe e ajudou o Bahia na conquista de sete campeonatos baianos.

 

Foto: http://jeitobaiano.atarde.uol.com.br/?p=1915

Henrique (titular). O “Henricão” foi um excelente zagueiro do time campeão de 1959. Era alto, forte e exímio cabeceador. O grande jogador carioca defendeu o Bahia por uma década e marcou história. Também foi vice-campeão nacional em 1961 e 1963, perdendo ambas finais para o Santos de Pelé.

Foto: http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/sapatao-2561

Sapatão. Élcio Nogueira da Silva, o sapatão, foi outro grande zagueiro tricolor dos anos 70. Sapatão tinha fama de violento, pois jogava com muita raça e determinação. Hexacampeão baiano como titular entre 1974 e 1979.

vicentearenari

Vicente Arenari. Defensor extremamente técnico, brilhou por diversos clubes como Bahia e Palmeiras. Pelo tricolor baiano, foi titular na zaga do time campeão nacional de 1959. Lendas como Marito e Nadinho o elegeram como melhor jogador daquele torneio. Jogador polivalente, atuou como lateral esquerdo no Palmeiras.

Menções honrosas: Arnaldo (tetra campeão baiano nos anos 40); Claudir (zagueiro de Vitória da Conquista, campeão brasileiro em 1988); Edson Soares (vencedor de vários estaduais durante os anos 80 – também atuava como volante); João Marcelo (zagueiro calmo, campeão brasileiro pelo Bahia em 1988); Juvenal Amarijo (bicampeão baiano, defendeu o clube de 1954 a 1959 – enquanto jogava no Flamengo, foi titular em todas as partidas do Brasil na Copa do Mundo de 1950); Leônidas (campeão estadual nos anos 30); Nildo (o “Birro Doido” defendeu o Bahia nos anos 60 e ganhou fama por ter evitado o milésimo gol de Pelé na Fonte Nova em 1969); Odilon (zagueiro campeão nos primórdios da equipe); Pereira (bom cobrador de faltas, foi titular em grande parte da campanha do clube, campeão brasileiro em 1988 – não atuou nas partidas finais por questões contratuais – e inclusive venceu a bola de prata da “Placar” daquele ano”); Wagner Basílio (bom cobrador de faltas, foi o capitão do “Esquadrão” semifinalista do Brasileirão de 1990); Zé Augusto (hexacampeão estadual entre 1976 e 1982); Zé Grilo (penta campeão baiano nos anos 40); e Zé Otto (parceiro de Roberto Rebouças na defesa no início dos anos 70).

LATERAIS-ESQUERDO

Foto: http://tradicao31.fotoblog.uol.com.br/photo20041224134909.html

Florisvaldo (titular). Talvez o maior lateral da história do Bahia. Era lépido, habilidoso e dono de um chute muito forte. Em razão da pouca idade, foi reserva do time campeão de 1959. Brilhou intensamente pelo clube durante os anos 60.

Foto: http://blogdoodir.com.br/2010/03/hoje-faz-50-anos-que-o-bahia-se-tornou-o-primeiro-campeao-brasileiro/

Beto. Líder e capitão na conquista da Taça Brasil de 1959. Jogador multifuncional, atuou em alguns jogos na lateral direita naquele torneio.

Menções honrosas: Jefferson (técnico, batia bem na bola – campeão do Nordeste com o tricolor em 2001); Nenzinho (participou como titular em alguns jogos da Taça Brasil de 1959); Paulo César (titular e campeão em vários estaduais pelo clube no início dos anos 80); Paulo Róbson (titular do Bahia no Campeonato Brasileiro de 1988); Romero (lateral no grande time dos anos 70 – excelente no apoio ao ataque) e Serginho (craque que marcou época no Milan, defendeu o “Esquadrão” em 1993-94).

VOLANTES

Foto: http://tradicao31.fotoblog.uol.com.br/photo20040710022020.html

Baiaco (titular). O xerife foi o maior volante da história do Bahia e é até hoje o jogador que mais vestiu a camisa da equipe em jogos oficiais (448 no total). Verdadeiro ídolo e xodó da torcida entre 1967 e 1980, Baiaco incrivelmente conquistou 10 campeonatos estaduais.

Foto: http://leandrosilva81.blogspot.com.br/2014/02/homenagem-aos-campeoes-brasileiros-de_7.html

Paulo Rodrigues. O volante Paulo Rodrigues, titular do Bahia em 1988, foi um jogador clássico e elegante. Possuía uma categoria pouco comum nos volantes atuais e armava o time com passes e lançamentos precisos. Infelizmente, apareceu muito tarde no cenário nacional, aos 30 anos, o que impediu projeções maiores na sua carreira.

Menções honrosas: Bebeto Campos (jogador incansável, defendeu o Bahia por seis anos e foi campeão do nordeste em 2001); Flávio (titular do time campeão da Taça Brasil em 1959); Gil Sergipano (titular do clube em 1988, fez um gol importantíssimo na semifinal contra o Fluminense); Helinho (titular e campeão em vários estaduais durante os anos 80); Lima “Sergipano” (folclórico jogador dos anos 90, conhecido pelas faltas com chutes potentes – incrivelmente, é o 15º maior artilheiro da história do Bahia com 84 gols); e Preto Casagrande (ídolo nos anos 2000, campeão do Campeonato do Nordeste e vencedor da Bola de Prata da “Placar” em 2001).

MEIAS (tanto armadores quanto pontas de lança)

Foto: http://leandrosilva81.blogspot.com.br/2014/02/homenagem-aos-campeoes-brasileiros-de_8.html

Bobô (titular). “Quem não amou a elegância sutil de Bobô ? Caetano Veloso, famoso tricolor, traduziu o que a torcida sentia por Raimundo Nonato Tavares da Silva, o Bobô. Ele é talvez o jogador mais idolatrado na história do time. Grande comandante da equipe campeã brasileira de 1988, teve atuações memoráveis, incluindo os dois gols decisivos na primeira partida da final contra o Inter na Fonte Nova. Enquanto jogava no tricolor, foi convocado para a Seleção Brasileira em algumas ocasiões.

Foto: http://www.esporteclubebahia.com.br/historia/artilheiros/

Douglas (titular). “O Lorde” foi um dos maiores jogadores do clube em todos os tempos (muitos torcedores o consideram “o maior”). Segundo na lista de artilheiros do “Esquadrão” com 211 gols – também marcou 111 gols pelo Santos de Pelé no final dos anos 60 (afastado do Santos pelo então técnico Ramos Delgado, que preferia outros jogadores do elenco, decisão criticada na época). No Bahia, Douglas foi o grande craque do time dos anos 70 – heptacampeão baiano de 1973 a 1979.

Foto: http://receptaculo.blogspot.com.br/2009/10/segura-o-pepino-elizeu.html

Eliseu. Um dos craques do tricolor nos anos 60, “O Gênio” possuía um estilo elegante e extremamente técnico. Era considerado um galã do futebol pelas jovens da época. Transferiu-se para o Anderlecht da Bélgica no início dos anos 70, onde virou ídolo.

Retirada do Site: http://tradicao31.fotoblog.uol.com.br/photo20041202012032.html

José SanFilippo. Este monstro argentino é considerado um dos maiores jogadores de seu país em todos os tempos (10º maior artilheiro da história da sua seleção e 6º goleador do campeonato argentino com 226 gols em 330 jogos). Bicampeão baiano em 70 e 71. Apesar de estar no final de sua carreira, SanFilippo, jogando mais recuado (era centroavante no seu auge), teve partidas inesquecíveis e até hoje é lembrado por muitos torcedores mais velhos do tricolor como o maior talento da história do clube. Sem dúvidas, foi o jogador de mais “nome” a jogar pelo Bahia. Curiosidade: foi carrasco do Bahia na Libertadores de 1960, jogando pelo San Lorenzo.

Foto: http://www.esporteclubebahia.com.br/historia/artilheiros/

Mário, “O Maestro”: Grande meia-armador do Bahia de 1959 a 1966. Excelente driblador e passador. Na Taça Brasil de 1959, disputou apenas a última partida contra o Santos (contratado do Botafogo, onde era reserva do lendário Didi, maior meia armador da história do futebol brasileiro) em razão de problemas médicos de Ari, titular durante o torneio.

Menções honrosas: Alberto Leguelé (revelado pelo Bahia nos anos 70, chegou a ser convocado à seleção olímpica); Amorim (titular do clube no final dos 60 e início dos anos 70); Ari (titular de grande parte da campanha da Taça Brasil de 1959 – também atuava como volante); Bombeiro (parte do elenco, disputou jogos da Taça Brasil de 1959); Emo (cinco vezes campeão baiano pelo tricolor nos anos 80); Evilásio (habilidoso meia-atante – tetracampeão estadual no final dos anos 40); Fabrini, o “Cerébro” (organizador do time na década de 40); Fito Neves (grande ponta de lança do do “Esquadrão” nos anos 70 – 23º maior goleador do clube com 61 gols); Léo Oliveira (excelente meia que brilhou no Santos de Pelé no final dos anos 60 e início dos anos 70 e depois no tricolor); Luiz Henrique (exímio meia nos anos 90 – último jogador do Bahia a ser convocado para a Seleção Brasileira); Maneca (soteropolitano, grande meia, ponta de lança e ponta direita do Bahia e Vasco nos anos 50 – titular do Brasil, enquanto atuava pelo Vasco, na Copa do Mundo de 1950); Raimundo Mário (meia-atacante do clube nos anos 60 – 22º maior artilheiro da história do Bahia com 62 tentos anotados); Sandro (titular em grande parte da campanha da equipe campeão brasileira em 1988); e Washington Luiz (o “Gato Seco”, coringa, atuava em vários posições – fez parte do grande time do Bahia dos anos 70).

PONTAS:
DIREITA

Foto: http://www.esporteclubebahia.com.br/artilheiros/marito/

Marito (titular). O baixinho craque do Bahia nos anos 50 e 60, Marito era conhecido como “Garrincha do Bahia” e “Diabo Loiro”. Foi um jogador muito rápido e habilidoso. Tinha dribles desconcertantes que enlouqueciam as defesas adversárias. Foi fundamental na conquista da Taça Brasil de 1959 e em diversos estaduais naquele período. 25º maior artilheiro do clube com 65 gols.

Foto: http://www.esporteclubebahia.com.br/historia/artilheiros/

Osni. O “Baixinho Infernal” brilhou pelo Bahia e seu rival Vitória (conquistou dua bolas de prata da “Placar” pelo rubro-negro em 1972 e 1974) nos anos 70 e 80. Ele era rápido, habilidoso e infernizava as defesas adversárias. Marcou 138 gols pelo Bahia (5º maior artilheiro do clube). Chegou a disputar algumas partidas pela Seleção Brasileira.

Foto: http://www.nacaobola.com.br/tag/campeonato-brasileiro-1988/

Zé Carlos. O ponta titular de 1988 brilhou intensamente naquele ano, sendo artilheiro da equipe no Campeonato Brasileiro. Chegou a ser convocado algumas vezes para a seleção nacional. 36º maior artilheiro da história do clube com 50 gols marcados.

Menções honrosas: Bayma (sócio fundador do clube, fez parte dos três primeiros títulos estaduais do Bahia e foi o primeiro jogador na história a balançar as redes com a camisa tricolor); Natal (craque do Cruzeiro de Tostão e Dirceu Lopes, também marcou época no Bahia no time com Roberto Rebouças, Douglas, entre outros craques); Osmar (reserva clube no brasileiro de 1988, foi titular na final contra o Inter); Pedro Amorim (revelado pelo “Esquadrão” nos anos 30, chegou a defender a seleção brasileira enquanto atuava pelo Fluminense – 29º maior artilheiro da história do Bahia com 55 gols); Tirson (o “Chiquitinha” conquistou vários estaduais com o tricolor nos anos 70); e Velau, “O Inspirado” (uma das estrelas do clube nos anos 40).

ESQUERDA

Foto: http://www.esporteclubebahia.com.br/historia/artilheiros/

Biriba (titular). O soteropolitano Biriba foi o maior ponta esquerda da história do Bahia. Era ponta direita de origem, mas mudou para a ponta esquerda para formar uma dupla infernal com Marito no time campeão nacional de 1959 e em várias conquistas do campeonato baiano. 10º maior artilheiro da história do Bahia com 113 gols.

Foto: http://tradicao31.fotoblog.uol.com.br/

Jésum. Este grande ponta, que também defendeu o São Paulo e o Grêmio, teve passagem brilhante pelo Bahia nos anos 70. Foi 3 vezes campeão baiano e marcou 38 gols pelo clube. Ganhou a bola de prata do Campeonato Brasileiro de 1978 pelo Bahia.

Menções honrosas: Agnaldo Berenguer, o “Canhoteiro” (artilheiro e dotado de um chute potente, brilhou no Bahia no final dos anos 60); Gilson Gênio (bicampeão baiano, também fez parte do time que conseguiu a virada incrível contra o Santa Cruz no Brasileirão de 1981 – depois de perder fora de casa pelo placar de 4 a 0, o Bahia venceu por 5 a 0 na Fonte e alcançou a classificação); Gilson Porto (defendeu o “Esquadrão” nos início dos anos 70 e marcou época em outras grandes equipes como Corinthians e Fluminense); Izaltino (grande ponta dos anos 40, 11º maior artilheiro da história do clube); Marquinhos (bom cobrador de faltas, titular da equipe campeã brasileira em 88); Naldinho (o baixinho de apenas 1,58 m foi xodó da torcida no final dos 80 e início dos anos 90); e Peri (o ex-atleta do Corinthians, jogou em 73 no Bahia e fez parte de uma linha de ataque impressionante com Natal, Douglas, Picolé e Fito);

ATACANTES

Foto: http://www.esporteclubebahia.com.br/historia/artilheiros/

Carlito (titular), “O Matador”. Grande craque do Bahia no final dos anos 40 e nos anos 50 (1946 a 1959). Carlito é o maior goleador da história do clube com 235 gols. Era um atacante rompedor, raçudo, grande cabeceador e possuía uma capacidade de finalização fenomenal. Foi incrivelmente nove vezes campeão baiano e, aos 32 anos, no final de sua carreira, reserva de Alencar no time de 1959. Também é o maior artilheiro do Bahia em clássicos Bavi com 21 gols.

Foto: http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/alencar-3061

Alencar. Outro craque essencial na conquista da Taça Brasil de 1959 (fez 3 gols nos três jogos decisivos contra o Santos).  Este atacante cearense chegou a ser chamado de “Pelé do Bahia”. Destacava-se pela velocidade, arranque, além de chutes fortes e certeiros. 9º maior goleador da história do clube com 116 gols.

Foto: http://www.esporteclubebahia.com.br/historia/artilheiros/

Beijoca. Jorge Augusto Ferreira de Aragão, o Beijoca, foi o grande centroavante do Bahia e símbolo da torcida nos anos 70. Ele era grande, desengonçado, violento, nervoso, boêmio, mas era raçudo e marcava gols como poucos. 12º maior artilheiro da história do clube com 106 gols, é considerado um dos jogadores mais folclóricos do futebol brasileiro.

Foto: http://leandrosilva81.blogspot.com.br/2014/02/homenagem-aos-campeoes-brasileiros-de_10.html

Charles. O “Anjo 45” foi atacante do time campeão em 1988 e artilheiro do Campeonato Brasileiro de 1990. Era um atacante com grande habilidade e faro de goleador, apesar de possuir um chute fraco. 19º maior artilheiro da história do clube com 68 gols. Em 1989, foi campeão da Copa América pela seleção Brasileira enquanto defendia o Bahia.
Curiosidade: no primeiro jogo da Copa América de 1989, em plena Fonte Nova, a seleção brasileira foi vaiada durante quase todo o jogo, pois Charles, presente no grupo na excursão anterior ao torneio continental, foi cortado (não convocado) pelo técnico Lazaroni.

Foto: http://www.esporteclubebahia.com.br/historia/artilheiros/

Léo Briglia. Este itabunense foi um excelente atacante do Fluminense e do Bahia.
Além do majestoso futebol, sua carreira foi marcado por várias confusões envolvendo mulheres e bebidas. Ele chegou a ser seriamente considerado para a seleção brasileira na Copa do Mundo de 1958, mas uma lesão no joelho e problemas dentários atrapalharam a sua convocação. Chegou ao Bahia em 1959 e teve impacto imediato, sendo o artilheiro da Taça Brasil de 1959 com 8 gols. Anotou inclusive um tento na partida decisiva contra o Santos no Maracanã. 18º maior artilheiro da história do clube com 77 gols.

Menções honrosas: Adauri (atacante habilidoso do final dos anos 70); Camerino (artilheiro e campeão baiano em 1944); Carlinhos Gonçalves (autor dos dois gols da virada contra o Botafogo-BA, partida que deu a taça de campeão baiano de 1971 ao Bahia – 35º maior goleador do clube com 50 gols); Cláudio Adão (curta e marcante passagem pelo Bahia em 86 e depois em 1991 – anotou 63 gols, 21º maior goleador da história do clube); Dario, o “Dadá Maravilha” (veterano, brilhou no Bahia no início dos anos 80 – marcou 54 gols pelo tricolor, 30º maior artilheiro do clube); “Didico” (goleador nos anos 60 – outrossim brilhou no rival Vitória); Freitas (goleador tricolor no final dos anos 70); Gambarrota, “O Gambá” (artilheiro, titular dos três primeiros títulos estaduais do tricolor nos anos 30); Gereco, o “Craque” (outra estrela dos anos 40, 28º maior goleador da história da equipe); Hamilton (lendário goleador do “Esquadrão” nos anos 50 e 60 – terceiro maior artilheiro da história do clube com 154 tentos); Jorge (14º maior goleador do time com 85 gols); Jorge Campos (artilheiro nos anos 70, 33º maior goleador do clube com 51 gols); Marcelo Ramos (técnico e goleador jogador do Bahia nos anos 90 – 6º maior artilheiro da história do clube com 128 gols); “Mickey” (apelidado com o nome do personagem da Disney em razão das orelhas grandes, foi campeão e goleador do campeonato baiano de 1976 com incríveis 26 gols); Nonato (7º maior artilheiro da história do Bahia com 125 gols, Nonato foi decisivo na conquista do Campeonato Nordeste de 2001 e ídolo da torcida no período); Picolé (centroavante do escrete tricolor nos anos 70 – outro jogador vindo do grande Santos da época); “Piolho” (autor do gol do título do bicampeonato baiano de 1972); Raudinei (“assinou” o histórico gol do título nos últimos minutos da final do campeonato baiano de 1994 contra o Vitória); Robson (defendeu o “Esquadrão” nos anos 80 – 24º maior goleador do clube com 60 gols); Robson, o “Robgol” (campeão do nordeste em 2011 – 31º artilheiro do Bahia com 53 gols); Tintas (astro dos anos 30 – 20º maior goleador do Bahia com 63 tentos anotados); Uéslei (o “Pitbull”, talvez o maior ídolo do clube nos últimos 20 anos – 4º maior artilheiro da história do clube com 140 gols); Vandick (artilheiro e campeão baiano pelo “Esquadrão” em 1991); Vareta (goleador dos campeonatos baianos de 1939 e 1940 – 8º maior artilheiro da história do clube com 121 gols); Zé Eduardo (elegante em campo, foi tricampeão baiano pelo tricolor no final dos 60 e início dos anos 70); e Zé Hugo, “El Matador” (ídolo do Bahia nos anos 40 – 13º maior artilheiro da história do clube com 96 tentos).

ELENCO PRINCIPAL

Goleiros: Nadinho e Ronaldo.

Zagueiros:  Roberto Rebouças, Henrique, Sapatão e Vicente Arenari.

Laterais: Florisvaldo, Leone, Beto e Perivaldo.

Volantes: Baiaco e Paulo Rodrigues.

Meias: Douglas, Bobô, SanFilippo, Eliseu e Mário.

Pontas: Marito, Biriba, Osni, Zé Carlos e Jésum.

Atacantes: Carlito, Beijoca, Charles e Léo Briglia.

ESCALAÇÃO DOS 11 TITULARES DA SELEÇÃO DO BAHIA DE TODOS OS TEMPOS:
Tática montada no site footballuser.com

Tática montada no site footballuser.com

Curiosidade: a Revista Placar em 1994, numa eleição entre especialistas, escolheu os seguintes onze titulares no “Tricolor dos Sonhos”: Nadinho, Leone, Roberto Rebouças, Henrique e Romero; Baiaco e Mário; Marito, Beijoca, Douglas e Jésum.

LISTA COMPLETA COM OS 125 MAIORES JOGADORES DA HISTÓRIA DO BAHIA EM ORDEM ALFABÉTICA:

Adauri

Agnaldo

Alberto Leguelé

Alencar

Amorim

Ari

Arnaldo

Bacamarte

Baiaco

Bayma

Bebeto campos

Beijoca

Beto

Biriba

Bobô

Bombeiro

Buttice

Camerino

Carlinhos Gonçalves

Carlito

Charles

Claudio Adão

Claudir

Clébson

Dadá Maravilha

Daniel

Didico

Douglas

Edinho

Edson Soares

Eliseu

Emerson

Emo

Evilásio

Fabrini

Fito Neves

Flávio

Florisvaldo

Freitas

Gambarrota

Gereco

Gil Sergipano

Gilson Gênio

Gilson Porto

Hamilton

Helinho

Henrique

Izaltino

Jair

Jean

Jefferson

Jésum

João Marcelo

Jorge

Jorge campos

Jurandir

Juvenal Amarijo

Leo Briglia

Léo Oliveira

Leone

Leônidas

Lessa

Lima Sergipano

Luís Antonio

Luiz Henrique

Maílson

Maneca

Marcelo ramos

Mário

Marito

Marquinhos

Mickey

Nadinho

Naldinho

Natal

Nenzinho

Nildo

Nonato

Odilon

Osmar

Osni

Paulo César

Paulo Robson

Paulo Rodrigues

Pedro Amorim

Pereira

Peri

Perivaldo

Picasso

Picolé

Piolho

Preto Casagrande

Raimundo Mário

Raudinei

Roberto Rebouças

Robson

Robson (“Robgol”)

Rodolfo Rodriguez

Romero

Ronaldo

San Fillipo

Sandro

Sapatão

Serginho

Sidmar

Tarantini

Teixeira Gomes

Tintas

Tirson

Toninho

Uéslei

Vareta

Vandick

Velau

Vicente Arenari

Wagner Basílio

Washinton Luiz

Yoyô

Zanata

Zé Augusto

Zé Carlos

Zé Eduardo

Zé Grilo

Zé Hugo

Zé Otto

FONTES:

Meu querido Pai, seus amigos e várias pessoas com idade o suficiente para ter visto grande parte desses jogadores em ação.

REVISTA PLACAR. “Os esquadrões dos Sonhos”. Nº 1098, novembro de 1994.

Sites:

http://brfut.blogspot.com.br/2009/03/taca-brasil-1959.html

http://cacellain.com.br/blog/?p=2224

http://camisadobahia.blogspot.com.br/2012/11/de-goleiro-os-goleiros-sempre-foram.html

http://confrontosdobahia.blogspot.com.br/2011/06/taca-roberto-gomes-pedrosa.html

http://esporte.ig.com.br/futebol/raio-x-brasileirao/bahia/

http://esporte.uol.com.br/futebol/biografias/9188/carlito

http://globoesporte.globo.com/ba/noticia/2013/10/lembra-dele-douglas-fez-dupla-com-pele-driblou-morte-e-foi-rei-no-bahia.html

http://globoesporte.globo.com/futebol/selecao-brasileira/noticia/2013/11/em-lisboa-solitario-perivaldo-assume-os-erros-foi-morte-do-artista.html

http://globoesporte.globo.com/futebol/times/fluminense/noticia/2012/11/perto-do-tetra-campeoes-brasileiros-recordam-primeiros-titulos-do-flu.html

http://globoesporte.globo.com/futebol/times/palmeiras/noticia/2013/07/vitima-de-avc-morre-vicente-arenari-campeao-paulista-pelo-palmeiras.html

http://jeitobaiano.atarde.uol.com.br/?p=1915

http://leandrosilva81.blogspot.com.br/2014/02/homenagem-aos-campeoes-brasileiros-de_15.html

http://leandrosilva81.blogspot.com.br/2014/02/homenagem-aos-campeoes-brasileiros-de_7.html

http://leandrosilva81.blogspot.com.br/2014/02/homenagem-aos-campeoes-brasileiros-de_8.html

http://leandrosilva81.blogspot.com.br/2014/02/homenagem-aos-campeoes-brasileiros-de_10.html

http://wwwmemoriasdafontenova.blogspot.com.br/2010/10/o-dia-em-que-nao-houve-o-gol-1000-de.html

http://obaheanahistoria.blogspot.com.br/2013/07/bayma.html

http://odia.ig.com.br/esporte/fluminense/2013-10-12/gilson-o-genio-das-laranjeiras.html

http://placar.abril.com.br/materia/conheca-as-selecoes-do-bola-de-prata-de-1970-a-2011/

http://robertoblogdo.blogspot.com.br/2013/10/velau-e-isaltino.html

http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/buticce-ou-buttice-6146

http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/jorge-campos-2049

http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/leone-4773

http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/leo-oliveira-2676

http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/mailson-4255

http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/maneca-1366

http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/naldinho-1256

http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/nildo-birro-doido-1503

http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/pereira-3821

http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/picole-3844

http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/romero-3960

http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/tarantini-3226

http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/wagner-basilio-142

http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/washington-o-gato-seco-5382

http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/ze-augusto-ex-zagueiro-1744

http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/ze-eduardo-1842

http://tradicao31.fotoblog.uol.com.br/photo20040710022020.html

http://tradicao31.fotoblog.uol.com.br/photo20041224134909.html

http://www.blogdosantana.com/2014/02/88-59-11.html

http://www.campeoesdofutebol.com.br/hist_bahia3.html

http://www.ecbahia.com/imprensa/colunistas/coluna.asp?id=22

http://www.esporteclubebahia.com.br/bahia-e-prefeitura-de-camacari-firmam-parceria-para-ajudar-juvenal-amarijo/

http://www.esporteclubebahia.com.br/historia/artilheiros/

http://www.foxsports.com.br/blogs/view/104472-boas-lembrancas-do-bahia

http://www.ibahia.com/detalhe/noticia/time-dos-sonhos-bavi-mario-prazer

http://www.luizberto.com/enxugandogelo-jose-de-oliveira-ramos/a-bola-era-de-couro-e-redonda

http://www.rsssf.com/miscellaneous/arg-recintlp.html

http://www.rsssfbrasil.com/sel/national.htm

http://www.rsssf.com/tablesa/argtops-allt.html

http://www.rsssfbrasil.com/tablesae/batops.htm

https://tardesdepacaembu.wordpress.com/tag/douglas-da-silva-franklin/

CRÉDITOS DAS FOTOS

Alencar: retirada do site: http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/alencar-3061

Baiaco: retirada do site: http://tradicao31.fotoblog.uol.com.br/photo20040710022020.html

Beijoca: retirada do site: http://www.esporteclubebahia.com.br/historia/artilheiros/

Beto: retirada do site: http://blogdoodir.com.br/2010/03/hoje-faz-50-anos-que-o-bahia-se-tornou-o-primeiro-campeao-brasileiro/

Beto: retirada do site: http://blogdoodir.com.br/2010/03/hoje-faz-50-anos-que-o-bahia-se-tornou-o-primeiro-campeao-brasileiro/

Biriba: retirada do site: http://www.esporteclubebahia.com.br/historia/artilheiros/

Bobô: retirada do site: http://leandrosilva81.blogspot.com.br/2014/02/homenagem-aos-campeoes-brasileiros-de_8.html

Carlito: retirada do site: http://www.esporteclubebahia.com.br/historia/artilheiros/

Charles: retirada do site: http://leandrosilva81.blogspot.com.br/2014/02/homenagem-aos-campeoes-brasileiros-de_10.html

Douglas: retirada do site: http://www.esporteclubebahia.com.br/historia/artilheiros/

Eliseu: retirada do site: http://receptaculo.blogspot.com.br/2009/10/segura-o-pepino-elizeu.html

Florisvaldo: retirada do site: http://tradicao31.fotoblog.uol.com.br/photo20041224134909.html

Henrique: retirada do site: http://jeitobaiano.atarde.uol.com.br/?p=1915

Jésum: retirada do site: http://tradicao31.fotoblog.uol.com.br/

Léo Brligia: retirada do site: http://www.esporteclubebahia.com.br/historia/artilheiros

Leone: retirada do site: http://www.bbmp.com.br/2011/06/

Mário: retirada do site: http://www.esporteclubebahia.com.br/historia/artilheiros/

Marito: retirada do site: http://www.esporteclubebahia.com.br/artilheiros/marito/

Nadinho: retirada do site: http://www.campeoesdofutebol.com.br/primeiro_arqueiro_brasileiro_da_libertadores.html

Osni: retirada do site: http://www.esporteclubebahia.com.br/historia/artilheiros/

Paulo Rodigues: retirada do site: http://leandrosilva81.blogspot.com.br/2014/02/homenagem-aos-campeoes-brasileiros-de_7.html

Perivaldo: retirada do site: http://marcosaurelioitz.blogspot.com.br/2013/11/ex-jogador-da-selecao-brasileira-vira.html

Roberto Rebouças: retirada do site: http://www.luizberto.com/enxugandogelo-jose-de-oliveira-ramos/a-bola-era-de-couro-e-redonda

Ronaldo: retirada do site: http://camisadobahia.blogspot.com.br/2012/11/de-goleiro-os-goleiros-sempre-foram.html

SanFilippo: retirada do Site: http://tradicao31.fotoblog.uol.com.br/photo20041202012032.html

Sapatão: retirada do site: http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/sapatao-2561

Vicente Arenari: retirada do site: http://globoesporte.globo.com/futebol/times/palmeiras/noticia/2013/07/vitima-de-avc-morre-vicente-arenari-campeao-paulista-pelo-palmeiras.html

Zé Carlos: retirada do site: http://www.nacaobola.com.br/tag/campeonato-brasileiro-1988/

Share Button

31 Comments

  1. Catarina

    Parabéns pelo trabalho! Excelente! E também por se preocupar em dar crédito as fotos e sites pesquisados.

  2. SelEsquadrão: 1-Ronaldo Passos, 2-Daniel Alves, 3- João Marcelo, 4-Pereira e 6-Paulo Róbson; 5-Baiaco, 7-Paulo Rodrigues (herdando o número da camisa do seu contemporâneo Gil), 8- Bobô(merece ser Capitão da SelEsquadrão: pois sua elegância sutil todo Brasil amou) e 10- Elizeu Godoy; 9- Charles e 11-Beijoca.(Mesmo estilo e número da camisa do Baixinho Senador: o Romário tricolor). 12- Sidmar, 13-Zanata, 14-Claudir,15-Roberto Rebouças e 16-Edinho Jacaré; 17-Lima Sergipano, 18- Gil (também de Sergipe) e 20- Zé Carlos; 19-Osni (arisco e mesmo número da camisa di Willian do Chelsea e da Seleção), 21-Marcelo Ramos e 22-Marquinhos(ponta-esquerda de 88). 23-Jean(obviamente o Pai). Treinador: Evaristo de Macedo. Coordenador Técnico: Aymoré Moreira(eterno).

  3. Correção :(… dE Willian…). Presidente para Sempre: Paulo Maracajá. Vice-presidente: Osório Villas Bôas(In Memoriam).

  4. José Durval Oliveira Pinto

    Minha Seleção:
    1-Luis Antônio
    2-Perivaldo
    3-R.Rebouças
    4-Sapatão
    6-Romero
    5-Baiaco
    8-Douglas
    10-Fito
    7-Jorge Campos
    9-Beijoca
    11-Jésum
    Reservas:
    1-Ronaldo
    2-Zanata
    3-João Marcelo
    4-Claudir
    6-Paulo Robson
    5-Paulo Rodrigues
    8-Bobô
    10-Emo
    7- Osni
    9-Charles
    11-Zé Carlos
    Treinador: Zezé Moreira
    Preparador Físico: José Carlos Queiroz
    Presidente: Paulo Maracajá

  5. Marcus Vinícius

    Senti a falta de Paulo Martins no escrete de todos os tempos do Bahia. O grande volante passou pouco tempo (meados dos anos 80) no tricolor baiano, mas sua qualidade técnica o credencia na seleção dos maiores de todos os tempos. Quem não se lembra da meiuca formada por Paulo Martins, Bobô e Leandro (ótimo jogador gaúcho), nos anos 80?
    Obrigado e parabéns pelo magnífico trabalho! BBMP

    • Otávio Pinto

      Obrigado, Marcus.
      A lista é falível. Certamente há outros, como Paulo Martins e Leandro, merecedores de figurar aqui.
      Agradeço pelo comentário.

  6. Ailton Fiais

    Boa tarde, eu tentaria achar uma vaguinha para o Jorge Wagner, foi muito efetivo no bahia com a inseparavel camisa 13

  7. Eliana López Mendes

    Não vi o nome de meu pai na relação dos ex-jogadores do E.C.Bahia. o nome dele Fernando López Pérez, apelido de gaguinho. Além de ex-jogador é também conselheiro. Foi campeão em 1947/1949/1949.

    • Otávio Pinto

      Obrigado pelo comentário, Eliana. Como disse antes, a lista é falível. Certamente, ídolos como o seu pai também mereciam estar aqui. Deixo minha homenagem a seu pai por tudo o que fez pelo nosso Bahia.

  8. Giorgio Servius

    Otávio,

    Ao final de sua lista, quando cita “O ELENCO”, vc esqueceu de por os ZAGUEIROS!

    Att,

    Giorgio

  9. veronika de jesus

    – O Esporte Clube Bahia nunca mais vai ser o mesmo, o Bahia virou um time pequeno E as unicas coisas que o Esporte clube bahia ainda tem é sua historia vencedora e sua grande torcida.
    – O Bahia de 1994 até hoje , virou um time pequeno que se habituou com serie B com fracassos e nunca mais vai ser campeão brasileiro.
    – O Esporte clube Bahia já foi grande , mas hoje se resume a um time de várzea que se contenta pouco.
    – O Esporte clube Bahia ficou de 2002 a 2011 sem ganhar um campeonato baiano , ficou 7 anos longe da serie A e quando retornou só colocou time para fugir de rebaixamento, tanto é que está na serie B e ainda esse ano jogou dois jogos no mesmo dia , quer dizer coisa e time de varzea.

  10. Joilson

    Uma observação:

    A torcida não vaiou a seleção brasileira em 1989, pelo fato de Charle não ter sido titula e sim por ter sido cortado juntamente com Bismarke do Vasco às vésperas de um importante jogo em Salvador.

  11. Joilson

    O time de 1990 foi o melhor time do Bahia de todos os tempos, era temido.
    Não foi campeão por que a CBF queria dar o primeiro titulo ao Corinthians.
    Era um time muito regular,iniciou o campeonato assustando todo mundo, já o de 88 cresceu dentro do campeonato,sendo o oitavo na fase classificatória.

  12. afranio salles

    Estou concluindo um livro sobre o Bahia. Na sua relação só não concordei com a posição de dois jogadores. Dois atacantes de primeira grandeza, um centroavante de nascença (Sanfilippo) e jogou no Bahia como tal. Foi o maior craque que já vestiu a camisa do Bhia. O outro, Luiz Henrique, que alternava meia atacante com centroavante foi titular da Seleção Brasileira (como atacante) ainda jogando no Bahia. Nenhum dos dois pode ser considerado meia, pois Alencar era meia atacante e jogava mais recuado que Luiz Henrique. Você não considerou Mário como titular, mas foi o melhor meia armador que o Bahia já teve. Toda vez que vejo um tricolor fazer a relação dos melhores do Bahia, repetem sempre as escolhas dos nascidos na Bahia como os melhores, esquecendo de craques espetaculares só porque vieram de fora. Zanata foi disparado o melhor lateral direito que o Bahia já teve. Os torcedores do Vitória ficavam apavorados quando ele subia e efetuava um cruzamento ou cobrava um escanteio. Acompanho o Bahia desde 1947 e não sou saudosista. Agora mesmo despontam no Bahia dois grandes jogadores que se continuarem como agora vão dar muitas alegrias aos tricolores: o goleiro MURIEL e o zagueiro TIAGO. Prestem atenção aos dois, embora em futebol nada é para sempre. Pode ser que eu queime a língua no próximo jogo.

    • Otávio Pinto

      Obrigado pelo comentário, Afranio.
      Interessante. Sempre achei que o argentino era um ponta de lança (meia-esquerda) daquele Bahia. Quem você considera que jogava naquela posição no tricolor à época de SanFilippo?
      Respeito, mas discordo, pois considero que Luiz Henrique foi um meia. Na Seleção Brasileira, por exemplo, ele costumava jogar quase como um segundo volante (sempre vestindo a 8). atrás de quatro jogadores mais avançados e à frente apenas de um volante (Dunga, César Sampaio ou Mauro Silva), como se vê nas partidas que disputou pelo Brasil entre 92 e 93 no link abaixo:
      http://www.rsssfbrasil.com/sel/brazil199293.htm

  13. Minha seleção: Edson Borracha
    Zanata
    João Marcelo
    Roberto Rebouças
    Romero
    Baiaco
    Fito
    San Fillipo
    Douglas
    Beijoca
    Jesum
    Treinador: Freitas Soliche
    Aux. Técnico Charles

  14. Alexandre

    Olá! Quem aparece na foto de Vicente também é Beto (que aparece depois).

    Vicente parece com Beto, mas é esse aí:

    http://bahia.ig.com.br/upload/images/2013-07-15/20130715031540_bahia—morreu.jpg

    Abs

    Alexandre

    • Otávio Pinto

      Obrigado, Alexandre. Realmente, eles eram muito parecidos. Corrigi! Obrigado! Abraço.

  15. A. Abreu

    Excelente trabalho. Na formação dos melhores, sempre são esquecidos os mais antigos, aqueles que a geração atual não viu jogar. Eu não vi jogar, mas Dante, Bianchi e Avalie, eram elogiadíssimo nSua época. Para mim os maiores goleadores do Bahia foram: Carlito, Douglas, Alencar e Marcelo Ramos. Esse jogou pouco no Bahia e ainda assim é o sexto maior
    Artilheiro do nosso querido Bahia.

  16. Rovaldo Veloso

    Faltou citar RENATO goleiro dá década de 70, que todos acreditavam seria convocado pra Seleção, tanto que foi apelidado “Renato 74”.

  17. Marcos A. Ramos dos Santos

    Reverenciou todos os grandes nomes citados, mas só posso opinar pelos que vi jogar. Segue minha lista :

    – Goleiros: Rodolfo Rodrigues e Jean;
    – Laterais Direitos: Marlon e Daniel Alves;
    -Zagueiros Centrais: Roberto Rebouças e João Marcelo;
    – Quartos Zagueiros: Jorginho e Sapatão;
    – Laterais Esquerdos: Romero e Washington Luiz (o Coringa);
    – Médio Volantes: Baiaco e Paulo Rodrigues – vale mencionar Zé Eduardo;
    – Meias Armadores: Douglas e Eliseu – vale mencionar Bobô;
    – Pontas de Lança: Emo e Leguelé;
    – Centro Avantes: Beijoca e Charles – vale mencionar Cláudio Adão;
    Pontas Direitas: Osny e Jorge Campos;
    Pontas Esquerdas: Jesus e Gilson Gênio.

  18. Marcos A. Ramos dos Santos

    Maílson e não Marlon.
    Jésun e não Jesus.
    Coisas do corretor de texto.

  19. afranio salles

    Meu caro Otávio
    Fui jogador de futebol nas diversas posições de um time, mas a preferência era meia armador ou atacante. Ao assistir um jogo sei quem é atacante, meio campo ofensivo, volante ou meia armador. Tenho certeza absoluta que tanto Luiz Henrique como Sanfilippo eram atacantes e se eventualmente recuavam eram por deslocamentos ou procurando evitar marcação serrada dos zagueiros. Você deve ser bem mais novo que eu, e talvez não se lembre das escalações até os anos 80/90. No ataque eram dois pontas, um meia atacante e um centroavante. No Bahia de Sanfilippo os pontas eram Gajé e Canhoteiro, o meia era Adauri e Sanfilippo o centroavante. No meio campo eram Amorim e Jair. No Bahia de Luiz Henrique, os pontas eram Naldinho e Marquinhos, Luiz Henrique era o meia atacante e Charles de centroavante. No meio campo eram Paulo Rodrigues e Gil Sergipano. Na seleção Luiz Henrique sempre jogou como atacante.
    Um abração
    Afrânio Salles

  20. Maecus Cunha

    Todo respeito à Jesum e à sua opinião mas colocar um ponta esquerda com38 gols na seleção e deixar de fora o 11* maior artilheiro, izaltino, com 112 gols de fora, não me parece razoável

Leave a Reply

Loading Facebook Comments ...

Theme by Anders Norén