Hall da fama do basquete, do futebol americano, do futebol inglês; não faltam exemplos de instituições semelhantes no mundo esportivo. Assim, causa espécie a inexistência de um “Hall da Fama de futebol da FIFA”. Por isso, resolvi sugerir sua criação e explicar uma forma fácil do seu eventual funcionamento, sobretudo em relação aos membros iniciais,  eleitores e  critérios de elegibilidade.

Critérios de elegibilidade:

Primeiramente, importante dizer que esse Hall da Fama teria como membros apenas jogadores (homens e mulheres) e técnicos (homens e mulheres). Outras figuras influentes no futebol (dirigentes, inovadores, jornalistas, ente outros) poderiam ser homenageadas no Museu a ser criado para o Hall da Fama, mas não seriam elegíveis (para evitar “politicagens”).  Outra condição de elegibilidade essencial corresponderia ao jogador ter se aposentado há pelo menos cinco anos (qualquer ex-jogador de todas as épocas poderá ser escolhido – nunca haveria perda desse direito).

Com o nascimento de órgãos dessa natureza, costumam ser escolhidos alguns membros iniciais (chamados de “indicados inaugurais” — como no Hall da fama do futebol inglês, por exemplo). Dessa maneira, acho que deveriam ser eleitos 20 membros iniciais (15 jogadores, 2 jogadoras — em razão do pouco de existência do futebol feminino —  e 3 técnicos) desde a criação do instituto (também em razão de fazerem parte do colégio eleitoral, como explanado posteriormente). Tal eleição deveria ser realizada por um comitê formado por jornalistas especializados na história do futebol (sempre escolhidos pela associação de jornalistas de cada país), divididos da seguinte maneira:

COMITÊ

Membros permanentes:

3 de cada país campeão da Copa do Mundo: Alemanha, Argentina, Brasil, Espanha, França, Inglaterra, Itália e Uruguai;

1 por país vice-campeão do mundo: Holanda, Hungria, Suécia, e República Checa (revezando de ano em ano com a Eslováquia, pois a antiga Tchecoslováquia não mais existe);

Sempre que surgir um novo país campeão ou vice da Copa, seus representantes seriam acrescidos. Os jornalistas apenas seriam substituídos em caso de morte, exclusão da associação de jornalistas (mediante seguimento do devido processo legal), condenação criminal transitada em julgada (casos nos quais não cabe mais recurso) ou enfermidade que prejudique suas capacidades mentais.

Membros rotativos:

1 de cada confederação continental (CONMEBOL, UEFA, CONCACAF, CAF, AFC e OFC).  A confederação sortearia no primeiro ano o país (excluídos os membros permanentes) que a representaria na eleição (também através de um jornalista escolhido pela respectiva associação de classe) e a partir daí, seguiria o revezamento anual por ordem alfabética. Esses 34 jornalistas ficariam incumbidos com a tarefa de escolher os 20 membros iniciais do Hall da Fama, necessariamente divididos da maneira explicada acima. Havendo empate, o jogador mais velho seria eleito. Evidentemente que constariam como presenças certas, mitos como Pelé, Maradona, Beckenbauer, Cruyff, Di Stefano e Garrincha. Essas 20 lendas seriam reunidas (os mortos representados pelo parente mais próximo) e homenageadas na próxima edição da festa anual da FIFA que consagra o melhor jogador do mundo na temporada (algo parecido com o que a NBA fez em 1997, durante o “all star game”, quando escolheu os 50 maiores da história da liga).

Regra definitiva dos anos seguintes.

Estabelecidos os membros iniciais, torna-se possível determinar o critério a ser utilizado nos anos seguintes. Pois bem, cada membro daquele comitê acima mencionado votaria livremente em 10 jogadores, 2 jogadoras e 2 técnicos. Os mais votados, nessa mesma quantidade de cada categoria, fariam parte da lista prévia para a escolha final (a idade mais avançada também servirá como critério de desempate em ambos os casos). Importante determinar que se em três eleições consecutivas ou quatro alternadas, um jogador figurasse entre os cinco mais votados, ou uma jogadora e um técnico fossem os mais votados (percentualmente, como posteriormente explanado), entrariam automaticamente no Hall da Fama, sem necessidade de eleição pelo Colégio Eleitoral (tal medida evitaria perseguições pessoais).

Da lista de 10 jogadores, 2 jogadoras e 2 técnicos, seriam eleitos pelo colégio eleitoral: 5 jogadores; 1 jogadora; e 1 técnico, os quais possuíram a honra de ser membros definitivos do hall da fama e de ser homenageados durante o prêmio dos melhores do ano da FIFA.

Colégio Eleitoral:

O Colégio Eleitoral seria composto pelo Comitê de Jornalistas e membros do hall da fama (muitos órgãos semelhantes são justamente criticados por não dar poder de voto aos seus participantes). Como se pode perceber, nenhum cartola teria direito a voto, algo importantíssimo em tempos de desconfiança, acusações fortes de corrupção e investigações formais em face de nomes famosos da FIFA e de confederações como a CBF. Para evitar desproporção futura, os votos deveriam ser contabilizados da seguinte maneira: far-se-ia a média aritmética entre a porcentagem de votação obtida por cada jogador (jogadora ou técnico) pelos membros do ”Hall” e do comitê. Os cinco jogadores, a jogadora e o técnico, mais votados percentualmente entrariam no Hall da Fama.

Exemplo para melhor entendimento( lista prévia com 10 jogadores e votos):

Jogador     % dos votos no Comitê      % dos votos entre os  Membros           Média (%)

A –                    30                                                         14                                                                        22

B                       8                                                             8                                                                            8

C                       12                                                        10                                                                          11

D                       6                                                             4                                                                             5

E                       4                                                             6                                                                               5

F                        10                                                          2                                                                               6

G                       14                                                         30                                                                            22

H                        10                                                         4                                                                                7

I                          2                                                          10                                                                                6

J                          4                                                           12                                                                               8

Jogadores A B, C, G E J, entrariam no Hall.

Enfim, considero esse procedimento justo e espero que, para a valorização dos grandes ídolos do esporte, um Hall da Fama da FIFA seja criado.

Share Button