Calma, caros leitores! Aqui não se fará defesa de substituição da nossa belíssima bandeira, tampouco de posições políticas.

Como alguns alguns brasileiros costumam dizer que “nossa bandeira jamais será vermelha”, resolvi escrever sobre a origem desse símbolo e de suas cores, e do nome “Brasil”.

Inicialmente, necessário esclarecer que, ao contrário do imaginário popular (e de justificações posteriores), o verde e o amarelo de nossa bandeira não representam, respectivamente, nossas matas e riquezas minerais, mas as cores imperiais das casas de Bragança e de Lorena, como explica o pesquisador e artista gráfico, Milton Luz, no livro “A história dos símbolos nacionais”, editado pelo Senado Federal:

Em 29 de setembro de 1823, o nosso agente diplomático junto à Corte de Viena descrevera a Metternich a bandeira do novo Império do Brasil. Sobre as suas cores dissera que D. Pedro I escolhera o verde por ser esta a cor da Casa de Bragança; e a amarela, ‘a Casa de Lorena, de que usa a Família Imperial da Áustria’. A Casa de Bragança procedia de D. Pedro I, antes mesmo de rei, quando ainda simples mestre da Casa de Avis. Aquela Casa reinaria durante 270 anos, desde 1640 até o fim da monarquia portuguesa, em 1910.

Além de reforçar a informação acima, a antropóloga Lilia Moritz Schwarcz (professora da USP) e a historiadora Heloisa Murgel Starling (professora da UFMG) explanam, no livro “Brasil: uma biografia”, o porquê da presença de um losango na bandeira imperial:

E as mudanças vinham rápido, sobretudo no que se referia aos emblemas e símbolos: espécie de cartão de visita de um novo regime. No dia 10 de novembro, o corpo diplomático estrangeiro era informado da adoção de uma nova bandeira do Brasil. O verde, cor que representava a tradição da Casa dos Bragança, e o amarelo, cor que simbolizava a Casa de Lorena e era usada pela família imperial austríaca, surgiam em posição central. Em destaque, ainda o losango da bandeira imperial, indisfarçável e incômoda homenagem que D. Pedro I resolvera fazer a Napoleão, apenas introduzindo sob ele o brasão monárquico, com as armas imperiais aplicadas sob as plantas do Brasil. Se essa versão é exata, estaríamos diante de um caso de redefinição, típico de nosso processo cultural: elementos tradicionais do armorial europeu, com seu significado preciso de homenagem aos soberanos da jovem nação, passavam a representar a nova realidade nacional.

flag_of_empire_of_brazil_1870-1889-svg

Bandeira do Império

Com a proclamação da república em 1889, surgiu a necessidade de uma nova bandeira. Após um curto período no qual outros símbolos chegaram a ser hasteados (como, por exemplo uma versão da “American Flag”, mas verde e amarela), surgiu a bandeira atual, bastante parecida com a anterior, preservando-se as cores das casas imperiais— Scwarcz e Starling: “a despeito da interpretações surgidas a posteriori (que explicavam o verde como uma referência às matas do país, e o amarelo como uma alusão às riquezas minerais)” . Houve apenas uma alteração: a substituição do brasão monárquico por um círculo azul estrelado com o lema positivista “ordem e progresso”.

Curiosamente, bandeiras com a cor vermelha chegaram a ser cogitadas no período, uma vez que, segundo Milton Luz, algumas figuras ilustres rejeitavam a manutenção das cores do Império do Brasil. Foi o caso de Júlio Ribeiro, idealizador de uma nova bandeira republicana, que, recusada (apesar de ter sido hasteada e utilizada durante alguns dias em novembro de 1889), passaria, décadas depois, a ser o símbolo oficial do Estado de São Paulo:

Esta febre demolidora contra a Monarquia e contra os defensores do Trono atingia até espíritos superiores, como o de Júlio Ribeiro, que no primeiro número de O Rebate, jornal de propaganda republicana aparecido em São Paulo em 16 de julho de 1888, assim investia contra o Pavilhão Imperial: ‘A bandeira atual do Brasil não nos pode servir de símbolo nacional a nós, republicanos, nem mesmo quando desornada dos atributos monárquicos. ‘ E, depois de uma crítica violenta e até injuriosa, propunha uma bandeira de listras horizontais brancas e pretas, alternadas, cantonada de vermelho; no canto vermelho, sobre um globo de prata, a figuração do mapa do Brasil em azul, entre quatro estrelas de ouro.

bandeira_do_estado_de_sao_paulo-svg

Bandeira do Estado de São Paulo

Essas informações apenas servem para demonstrar que outras cores poderiam ter sido escolhidas, uma vez que o verde e o amarelo eram símbolos da monarquia derrotada pela proclamação da república.

Origem do nome “Brasil”

Sobre o pau-brasil e a origem do nome do nosso país, escrevem Scwarcz e Starling na supramencionada obra:

(…) em meio a uma série de plantas que possibilitavam a produção de um corante vermelho. Tanto a madeira como o corante eram conhecidos por diferentes nomes — ‘brecilis’, ‘bersil’, ‘brezil’, ‘brasil’, ‘brazily’ — sendo todos derivados do nome latino ‘brasilia’, cujo significado é ‘cor de brasa’ ou ‘vermelho’.

(…) Desde 1512, com a introdução do produto no mercado internacional, o termo ‘Brasil’ passou a designar oficialmente a América portuguesa.

 

Outrossim, nesse sentido (sobre a relação de “Brasil com “vermelho” e “brasa”), escreveu em 1576, o historiador e cronista português, Pero de Magalhães Gândavo, no mais antigo livro de história sobre o Brasil: “História da Província Santa Cruz a que vulgarmente chamamos Brasil”(transcrição abaixo; grifos nossos). Aliás, como se pode ver no título do seu trabalho, ele criticava a adoção do nome “Brasil”, e defendia o título original “Santa Cruz”, cujo símbolo era uma cruz vermelha.

E tornando a Pedro Álvares, seu descobridor, passados alguns dias que ali este fazendo sua aguada e esperando por tempo que lhe servisse, antes de partir, e para deixar um nome àquela província por ele descoberta, mandou alçar uma cruz no mais alto lugar de uma árvore, onde foi arvorada com grande solenidade e bênçãos dos sacerdotes que o acompanhavam, dando à terra esse nome de Santa Cruz; cuja festa a Santa Madre Igreja celebrava naquele mesmo dia (três de maio). O que não parece carecer de mistério, porque assim como nestes reinos de Portugal trazem a cruz no peito por insígnia da Ordem e Cavalaria de Cristo, assim prouve a Ele que esta terra se descobrisse a tempo para que o tal nome lhe pudesse ser dado nesse santo dia, pois havia de ser posse dos portugueses e ficar por herança de patrimônio ao mestrado da Ordem de Cristo. Por onde não parece razoável que lhe neguemos esse nome, nem que esqueçamos dele tão indevidamente por outro que lhe deu o vulgo depois que o pau da tinta começou a vir para estes reinos. Ao qual chamaram brasil por ser vermelho e ter semelhança com brasa, e por isso ficou a terra com esse nome de Brasil.

cruzdecristo

Cruz de Cristo, “primeiro signo da história de nossa heráldica”, segundo Milton Luz.

Conclusão

Ora, prezados leitores, se o verde e o amarelo da bandeira brasileira remetem ao superado passado imperial, se o primeiro símbolo do país foi uma cruz vermelha, se o nome do país representa a cor vermelha, a bandeira da República Federativa do Brasil poderia ser vermelha (sem nenhuma conotação política).

Share Button